Menu

#Dezembro
#RádioSuper


É possível morrer de tanto rir?

08 DEZ 2017
08 de Dezembro de 2017
Parece pouco provável, mas o riso em excesso faz suas vítimas desde a Grécia antiga - e causou, inclusive, a morte de um rei!

Entre gritos e berros, uma outra expressão idiomática ganhou força nos últimos tempos com a internet: morta. Por causa dela, “matar alguém” de rir nem é mais tão difícil assim. Basta um gif utilizado no momento certo e voilà – tá lá mais um corpo estendido no chão. O que nem todo mundo sabe é que isso não é só um exagero que as pessoas adoram repetir. Embora aconteça com frequência infinitamente menor do que dizem as redes sociais, há evidências científicas de que sim, a causa mortis de alguém pode ser mesmo uma gargalhada bem dada. Tanto que existe até nome formal para essa modalidade estranha de óbito: hilaridade fatal.

Ok, ninguém morre exatamente por causa de uma piada em si, mas sim devido a algum processo que ela desencadeia no corpo. Ter um acesso de riso intenso demais pode servir para desregular várias funções que, se já estiverem andando meio mal das pernas, podem parar totalmente – por tempo suficiente para fazer alguém bater as botas.

Quando damos uma gargalhada, nossa respiração é interrompida parcialmente. A entrada de ar na boca acontece de maneira irregular, o que pode prejudicar a oxigenação do sangue se acontecer por longos períodos. Quem sofre de insuficiência respiratória ou crises de asma pode ser duramente afetado por essa alteração na dinâmica da respiração. Se a pessoa não parar logo de rir e tomar um fôlego, o cenário final pode ser uma arritmia, o descompasso dos batimentos cardíacos.


Rir demais pode pressionar a região do crânio e causar o rompimento de um aneurisma, e, por tabela, um acidente vascular cerebral (AVC). Além disso, uma crise de riso pode aumentar a pressão na região peitoral, o que prejudica a circulação sanguínea – que, vejam só, é bem onde bate o seu coração. Pessoas com insuficiência cardíaca, dessa forma, também têm risco aumentado.

Essa foi a situação de um dos casos mais famosos, o do inglês Alex Mitchell. O trabalhador do setor de construção civil morreu em 1975, após rir por 25 minutos de uma esquete de seu programa de TV favorito, a série humorística The Goodies. A cena letal foi nada menos que um escocês lutando contra uma linguiça gigante, utilizando como arma a sua gaita de foles.


Sua neta, Lisa Cooke, chegou a sofrer do mesmo mal do avô em 2012, mas se safou por ter sido socorrida a tempo pelo marido. Segundo especialistas, o motivo para crises de riso mortais na família é a ocorrência de um distúrbio genético muitíssimo raro. A chamada “síndrome do QT longo” faz que situações muito cansativas ou cheias de adrenalina causem arritmias cardíacas graves, mesmo em pessoas saudáveis.

Voltar